tvmais

em parceria com a Activa

Perfil

Casos de polícia

Mulheres que mandam matar os maridos

Ao contrário do que se pensa, eles também morrem às mãos delas. Ou às de quem elas encomendam…

Hernâni Carvalho

DR

DR

DR

DR

DR

A té dou 100 mil [euros] a cada um. Eu nunca mais vejo a hora de ele ir com o c...”, é uma das afirmações que Fernanda terá feito e que foram gravadas em Abril de 2013, conforme conta o “Correio da Manhã” (“CM”) . A mulher quis contratar dois homens para lhe matarem o marido, de quem estava separada. Assim, ela e os dois filhos poderiam receber uma herança avultada. Prometia dar aos contratados 100 mil euros e mais 75 mil a quem os ajudasse. Deu as indicações e, pelo caminho, encomendou também a morte da sogra e da nova mulher do marido. A trama só não se deu porque um dos homens contratados a filmou e denunciou o caso às autoridades.

Eles não se queixam
A violência doméstica é o tipo de crime que mais tem crescido em Portugal. No ano transacto, morreram 29 mulheres. Mas também há homens que sofrem com este crime. Em 73% dos casos em que eles são vítimas de violência doméstica, não houve lugar a denúncias às autoridades. Por vergonha, eles não se queixam. Apenas 8,1% dos homens agredidos foram ao serviço de urgência receber cuidados médicos.

Tiveram relações sexuais e depois ela matou-o
Em 2015, o Supremo Tribunal de Justiça manteve a condenação a 20 anos de cadeia para a Maria Ribeiro (49 anos), por esta ter assassinado o marido com um tiro na cabeça. Maria atraiu-o a um apartamento no Porto, onde tiveram relações sexuais, e, de seguida, deu-lhe um tiro. O cadáver foi deixado nu e em cima da cama. Ela regressou a casa, em Alvarães, Viana do Castelo, e durante vários dias disse à família estar em pânico com o desaparecimento do marido. Depois, foi presa, julgada e condenada.

Quem são elas
Quando as vítimas (eles) apresentam lesões físicas, metade são contusões localizadas nos membros superiores e na face. Apenas 2% ficaram com sequelas físicas permanentes. As agressoras têm em média 38 anos. Trinta por cento apresentaram histórias de consumo de substâncias, 63,9% eram casadas e apenas 3,9% eram namoradas. Sessenta e quatro por cento das agressoras coabitavam com a vítima há anos (entre um a 15 anos). Quarenta e oito por cento estavam separadas há pelo menos um ano.

Comprimidos e asfixia
Em Outubro de 2014, Marlene, 37 anos, também foi condenada a 20 anos de prisão. Drogou o marido ao colocar comprimidos na comida e depois asfixiou-o. Ela e o amante embrulharam o corpo num saco-cama e levaram-no de carro. Depois, queimaram o corpo e atiraram-no por uma ribanceira da Estrada da Marginal (EN 108), em Atães, Gondomar. A mulher queria acabar com o seu casamento sem ter de pedir o divórcio e enfrentar uma luta pelo poder paternal da filha, de 11 anos.

Silêncio e vergonha
Eles, em silêncio, sujeitam-se à humilhação e ao insulto. São uma percentagem muito elevada e muito difícil de identificar nos homens. “Há mais casos de homens vítimas de violência doméstica do que se imagina e em diversas classes sociais. A baixa auto-estima e a vergonha empurram-nos, por vezes, para estados depressivos. A vergonha, a profissão, os filhos, a sociedade, a família e os bens patrimoniais são os argumentos que eles consideram para não se separarem e não denunciarem às autoridades”, explicou à tvmais Quintino Aires, professor de Psicologia Clínica.

Quando são eles as vítimas
Cerca de 61,5% dos homens agredidos em ambiente de violência doméstica eram casados e 16,7% divorciados. Treze por cento estavam desempregados no momento da agressão. Em 220 dos casos havia consumos de álcool ou drogas e 5,9% apresentava distúrbios psiquiátricos. Quarenta e cinco por cento dos homens já tinham sido agredidos ou abusados em criança. Os dados são de um estudo a que a tvmais teve acesso, realizado no Instituto Nacional de Medicina Legal em Lisboa, entre 2007 e 2010. No universo das 5250 vítimas de violência doméstica avaliadas, 18% eram homens.

“Eu amava o meu marido!”
Maria das Dores condenada a 23 anos de cadeia por ter encomendado a morte do seu próprio marido, disse em tribunal: “Eu amava o meu marido”. Pensava receber um milhão e meio de euros do seguro. Casada em segundas núpcias com Paulo Cruz, recusou-lhe o divórcio e mandou matá-lo. Contratou dois homens e dirigiu o crime até ao detalhe. Quis a sorte grande, mas saiu-lhe a terminação. Foi presa, condenada e reduzida a uma reforma de 800 euros. As broncas na prisão com Maria das Dores são diversas. É altiva e manipuladora. Fontes prisionais garantem à tvmais que a sua capacidade de seduzir já fez das suas, quer em Tires quer em Caxias.