tvmais

em parceria com a Activa

Perfil

Casos de polícia

O pesadelo de Mariana, a desaparecida de Ponte de Lima

Como nas histórias infantis, Mariana correu para viver um sonho com um príncipe, mas cedo se viu a viver um pesadelo com um sapo.

Hernâni Carvalho

DR

Desnutrida, sem ter tomado um único banho ao longo da semana, viveu sem luz, numa casa semibandonada, onde o pão, água e café foram as refeições mais frequentes. Sete dias depois, a PJ de Braga resgatou-a do pesadelo e do sapo.

Fuga para o sonho
Há algum tempo que Mariana tinha novos amigos do Facebook. Das conversas online, passou às chamadas telefónicas. Naquela sexta-feira, 3 de Março, saiu de casa (Beiral do Lima) às 6.55 h. “Faltam umas sapatilhas fluorescentes e algumas peças de roupa, poucas, que ela também terá levado”, explicou ao “Correio da Manhã” a mãe de Mariana. “Faltam-me também 20 euros.” Mariana apanhou o autocarro escolar que a transporta para Escola António Feijó, em Ponte de Lima. Mas ela já não entrou na escola.

Braga, Porto, Aveiro...
No centro da vila, apanha autocarro para Braga e, aqui chegada, anda 2 km a pé, até à estação dos comboios. O seu telemóvel envia sinal que a PJ haveria de detectar. Apanha o comboio urbano para Campanhã, no Porto, e daqui segue para Aveiro. O sinal de telemóvel é novamente detectado. Ainda nesse dia, ligou à mãe dizendo que não poderia regressar a casa. Mas nada disse sobre o seu paradeiro. O destino final do seu sonho estava em Vagos, a 180 km de distância de casa.

Um sapo do Facebook
As redes sociais estão recheadas de predadores de menores. Criam perfis falsos, fazem-se passar por outras idades e assim aliciam os menores com falsas ilusões. Tudo lhes serve para chegar ao contacto sexual com menores. Quando isso acontece, a maioria das vezes os menores já não têm como fugir. Este Manuel “tem um perfil típico de um predador sexual através da internet e das redes sociais”, disse Gil Carvalho, director da PJ de Braga.

Perfil falso
O príncipe por quem Mariana se tomou, era jovem, loiro, olhos verdes e o seu perfil no Facebook dizia chamar-se Dinis. Falso. Na vida real, o homem que seduziu Mariana chama-se Manuel, tem 24 anos e é conhecido pelo “Escadote”. Terá oito queixas por situações semelhantes. “Mas é muito provável que muitas outras possam ser identificadas”, explicou o director da PJ de Braga.

De príncipe a “Escadote”
Não se conhece o grau de desilusão da menor. Sabe-se que só quando Mariana chegou ao local combinado se deparou com a realidade. O homem que a esperava é o oposto daquilo com que sonhara. Um metro e noventa, desengonçado, sujo, nada sedutor, desempregado e com uma casa abandonada para viverem...

O pão da Quinta da Vigia
Os sacos de pão dos moradores da Rua Afonso V passaram a desaparecer. Sempre de madrugada. Além deste detalhe, os moradores nada mais viram de estranho. Desconheciam que o número 57 tinha uns inquilinos fantasmas. Naqueles subúrbios de Aveiro, o Manuel já era conhecido. Solteiro, tem uma filha ainda pequena cuja mãe terá sido sua cúmplice em roubos e tráfico de droga. Os vizinhos falam, desde que não se revele a sua identidade.

“Mãos Leves” mora na net
Manuel Fernandes é mais conhecido por “Escadote” ou por “Mãos Leves”. Referenciado por aliciamento de menores no Facebook, no ano passado terá estado ligado ao desaparecimento de uma menor de 14 anos que fugiu de casa duas vezes. Da primeira, foram encontrados pela GNR, em Ílhavo. Da segunda, foram apanhados pela PSP, em Santa Apolónia, em Lisboa, a viver com outros sem-abrigo. O “Escadote” nunca esteve preso por isso, mas por tráfico de drogas cumpriu dois anos, em Custóias.

Sem contactos, mas pouco
Desde sábado, dia 4, que a PJ tinha uma georreferenciação. Ao longo dos restantes dias, Mariana manteve o telemóvel desligado. Fonte próxima da investigação disse à TvMais que ela contactou com amigas através de um perfil falso nas redes sociais e deu indicações do seu paradeiro. A mãe de Mariana informou as autoridades. Em Vagos, a PJ cercou a casa, ainda na quinta--feira, 9. No dia seguinte, cerca das 9.30 h,
a menor, já sabedora da presença da PJ, apareceu à porta de casa.

Estranha calma
Aparentava estar calma, terá feito questão de dizer estar ali de livre vontade e até terá tentado encobrir o Manuel “Escadote”, dizendo estar sozinha. “Saiu logo daqui, num carro da PJ. Ele só se entregou por volta das 11 e tal e ofereceu bastante resistência”, contou Joaquim, um camionista, ex-emigrante que terá testemunhado o episódio.

Do armário para a prisão
O predador sexual de menores foi capturado pela Polícia Judiciária dentro da casa, escondido num armário. Levado para a PJ, foi interrogado. Já no sábado, defendido por uma advogada oficiosa, manteve-se em silêncio durante o interrogatório a que foi sujeito no Tribunal de Viana do Castelo. Indiciado de rapto agravado ficou em prisão preventiva. Nada contará o alegado consentimento de Mariana. Em termos penais, a lei diz que antes dos 14 anos os menores não possuem autodeterminação sexual.

Mariana, 13 anos
Já está em casa, para sossego dos pais e da sua comunidade, que a descrevem como muito recatada. Filha de pais humildes, agricultores numa aldeia de Ponte de Lima, é a mais nova de cinco irmãos. Segundo a própria mãe, não gosta muito de estudar. Reprovou no último ano lectivo.