tvmais

em parceria com a Activa

Perfil

Casos de polícia

Manuel Maria Carrilho absolvido do crime de violência doméstica contra Bárbara Guimarães

O ex-ministro da Cultura foi condenado em apenas dois dos mais de 20 crimes de difamação de que era acusado, ficando assim obrigado a pagar uma indemnização por danos não patrimoniais à apresentadora. Já pelas queixas de violência doméstica, Carrilho é dado como inocente.

TVMAIS

Manuel Maria Carrilho e Bárbara Guimarães protagonizaram o maior escândalo nacional de que há memória no que toca ao mundo rosa. Ele expôs-se, ela guardou para si as dores que tinha e aguentou de forma estoica a pressão mediática. O tribunal que decida!

Manuel Maria Carrilho e Bárbara Guimarães protagonizaram o maior escândalo nacional de que há memória no que toca ao mundo rosa. Ele expôs-se, ela guardou para si as dores que tinha e aguentou de forma estoica a pressão mediática. O tribunal que decida!

Pedro Jorge Melo

Processo complicado - É seguramente o pior ano na vida pública de Bárbara Guimarães. Independen-temente da decisão judicial, vai deixar marcas na vida da apresentadora.

Processo complicado - É seguramente o pior ano na vida pública de Bárbara Guimarães. Independen-temente da decisão judicial, vai deixar marcas na vida da apresentadora.

Arquivo

Absolvido. Manuel Maria Carrilho foi considerado inocente dos crimes de violência contra a ex-mulher, Bárbara Guimarães, durante o casamento. A juíza Joana Ferrer, que chegou a pedir para ser afastada do processo depois das acusações de parcialidade, sentenciou que a apresentadora é uma mulher independente, capaz e autossuficiente em termos financeiros, pelo que não faria sentido, à época das agressões, continuar com o marido em vez de proteger os filhos.

O ex-governante fica assim absolvido de novas alegações de violência, depois de em outubro ter sido condenado a quatro anos e meio de pena suspensa por casos ocorridos após a separação do casal. Neste novo processo, Manuel Maria Carrilho é considerado culpado apenas pelos crimes de difamação, visto ter exposto publicamente o alegado problema de alcoolismo de Bárbara Guimarães. Por esta condenação, o ex-ministro fica obrigado a pagar uma multa de 3900 euros.

Sobre a violência, a juíza sentenciou que, "perante a realidade trazida ao tribunal, prova pericial inconclusiva e perante uma prova testemunhal abundante, mas que não foi capaz de sustentar a acusação, não resulta da matéria de facto provada que o arguido tem cometido o crime de violência doméstica". Resultado: absolvição.

Recorde-se que Joana Ferrer foi criticada - e o seu afastamento pedido por Bárbara Guimarães - após “um conjunto de expressões utilizadas” que a apresentadora e o respetivo advogado consideraram parciais. Exemplos? Tratar a queixosa por "Bárbara" e o arguido por "Senhor Professor" ou referir que lhe causava “alguma impressão a atitude de algumas mulheres" vítimas de violência, aludindo ao facto de a apresentadora ter criado a ilusão de que tudo estava bem no casamento mesmo quando vivia aterrorizada.

Até ao momento, ainda não são conhecidas as reações de Bárbara Guimarães e do seu advogado. Já Manuel Maria Carrilho considerou, à saída do tribunal, que "se fez justiça", congratulando-se pelo "fim de um calvário de quatro anos".