tvmais

em parceria com a Activa

Perfil

Famosos

5 anos após acidente, José Luís Gonçalves já fala e mexe as pernas (entrevista exclusiva)

A recuperação do ex-toureiro que sofreu uma queda no ensaio geral de “Dança com as Estrelas 1” tem sido, nos últimos meses, extraordinária.

tvmais

José Luís Gonçalves

José Luís Gonçalves

José Oliveira

Os últimos meses têm sido marcados por avanços muito significativos na reabilitação de José Luís Gonçalves. O ex-toureiro continua a recuperar da queda aparatosa que sofreu há cinco anos, no dia 28 de julho de 2013, durante o ensaio geral do programa “Dança com as Estrelas”, conduzido por Cristina Ferreira, no qual ia participar. Nessa tarde, a tragédia, que aconteceu nos estúdios da Venda do Pinheiro, mudou para sempre o rumo da sua vida. O traumatismo cranioencefálico grave que resultou da queda obrigou-o a fazer várias intervenções cirúrgicas e deixou-o numa condição muito debilitada. Desde esse dia, José Luís está numa luta sem precedentes, a recuperar numa unidade de saúde especializada, atendo ao seu lado a companheira, Isabel Gomes, que se mantém incansável, confiante na recuperação e com uma certeza: que um dia vai levar o amor da sua vida para casa.

A companheira de José Luís falou em exclusivo com a TvMais e as notícias sobre o seu atual estado de saúde são muito animadoras. “Passaram-se cinco anos desde o acidente, para quem está de fora, parece que passou a correr, para quem está com ele todos os dias foi duro... não é fácil. Continuo dedicada ao Zé a 100%.Estou com ele todos os dias. O último ano foi de vitórias e conquistas para nós, e está a compensar-nos por tudo o que passámos nos outros quatro. Foi o ano em que as coisas deram uma volta de 180 graus, ainda não foi o clique que os médicos estavam à espera, porque falta a parte motora acompanhar este progresso, mas o Zé conquistou muito coisa!” Isabel revelou que os progressos são muitos, confiante que no futuro as melhorias vão ser ainda mais significativas. “Começou a falar, diz tudo, com um discurso articulado, já mantém conversas, pede coisas, consegue exprimir-se e isso é muito importante para uma pessoa na condição dele. Além disso, tem muitas manifestações de carinho comigo, pede-me beijinhos, muitas vezes! Já come sozinho, o que até há pouco tempo não acontecia... ainda somos nós que lhe damos a comida, mas já mastiga e engole bem os alimentos.”

A recuperação tem revelado que, apesar da gravidade do acidente, as características de José não se alteraram! “O Zé não mudou nada, a personalidade e a essência dele estão iguais. Ele agora até está mais engraçado, mantém um sentido de humor muito apurado, o que já era uma característica antes do acidente. O cérebro não está igual, claro que mudaram algumas coisas depois de tudo o que ele passou. O médico que o acompanha considera esta evolução fantástica, pois ele próprio nunca pensou que isto pudesse acontecer. O próximo passo é recuperar o andar, eu estou confiante que ele via conseguir!”

Isabel Gomes

Isabel Gomes

José Oliveira

“Mantém todas as memórias”
José Luís não tem consciência do que lhe aconteceu há cinco anos: “Ele ainda não chegou a essa parte, mantém todas as memórias, de coisas anteriores ao acidente, mas daquele episódio e dos tempos que se seguiram não. Reconhece as pessoas, e sabe bem quem são aquelas que o visitam mais frequentemente, nomeadamente amigos, às vezes baralha-se nos nomes, mas isso é normal, também não podemos pedir tudo!” Isabel reconhece que os últimos meses foram revolucionários. “Ele estar assim já é uma vitória e, como todos nós, o Zé tem dias melhores, e dias piores, dias em que se cansa mais e outros em que está mais ativo.”


Além da gravidade do acidente, existiram muitas complicações nas várias intervenções cirúrgicas a que foi submetido: “Ele foi operado cinco vezes à cabeça, também foi operado aos pulmões e fez uma cirurgia a uma perna, por causa de uma veia que rebentou. Tudo o que lhe poderia ter acontecido, infelizmente aconteceu, tudo e mais alguma...” Quando José foi operado a última vez à cabeça, para repor o osso que tinha sido retirado do crânio, em 2014, Isabel temeu o pior. “Ele esteve muito mal nessa fase. Nessa altura, pensei que não resistia... Pensei mais que ele não resistia em 2014 do que propriamente na altura do acidente, não sei porquê... Estava péssimo.” O estado de José Luís implica outras complicações secundárias, que não estão relacionadas diretamente com o que aconteceu, mas são o resultado de cinco anos nesta situação. Isabel confia muito na equipa que faz o acompanhamento diário. “Agradeço muito ele estar nesta unidade de saúde. É preciso trabalhar muito com ele! É insistir todos os dias. Não estou com ele na fisioterapia, mas depois faço os exercícios com ele no quarto! Ele tem aqui uma chata que não o deixa sossegado”, contou.

Arquivo

“Está melhor, não está bem!”
Isabel ponderou recorrer a tratamentos fora de Portugal, mas atualmente descarta essa hipótese. “Houve uma altura em que ponderei procurar ajuda para o Zé a nível internacional. Atualmente acho que não se justifica, porque ele está a recuperar tão bem. Além disso, envolvia uma deslocação grande e também tenho de pensar no bem-estar dele, porque ele cansa-se muito, até em percursos pequenos como nas idas ao Hospital de Santa Maria. O Zé está melhor, mas não está bem! Para ele, o mais pequeno esforço é grande. Ele reage bem a todas as terapias e estímulos, mas às vezes está cansado. Uma das consequências de estar acamado e que exige uma recuperação mais exigente é a parte motora. “Perdeu muita massa muscular, fisicamente está igual, bem constituído e continua um homem muito bonito! Como não anda... perdeu força. Mas ele já levanta as pernas, como se estivesse a andar, mas faz isto quando está sentado numa cadeira.Em tudo o resto os progressos tem sido surpreendentes: “Em relação a outras coisas ele não precisa aprender porque sabe tudo: consegue ler, consegue fazer contas, conhece os números todos e mais alguns. Ouve música e vê televisão, mas não liga muito. Agora acompanhou o Mundial de Futebol, porque gosta, esteve muito atento... Quando vê touradas fica preso à televisão. Gosta de ver filmes, mas ainda não não está muito tempo a ver o mesmo…”

“Sinto-me muito feliz!”
Isabel recebeu nos últimos meses a recompensa por tudo o que desenvolveu ao lado do companheiro nos últimos anos. “O Zé tem vindo a melhorar muito no último ano, mas nos últimos quatro meses foi quando aconteceram os progressos mais significativos. Os médicos dizem que não sabem como isto aconteceu, achavam que ele não ia sair do estado em que estava e o facto é que está a acontecer. A equipa médica aqui é fantástica, tal como a de enfermagem, e tem corrido tudo muito bem! Sinto-me muito feliz, claro! Acho que finalmente estamos a ser recompensados por tudo o que passámos e fico radiante por saber que o Zé está a conquistar qualidade de vida.”

Incansável, Isabel nunca baixou os braços e nunca desistiu. O seu objetivo é levar o companheiro para casa. “Não sei se algum dia voltaremos a ter as nossas rotinas normais, mas vamos a caminho, estamos a fazer esse percurso. Isto é como uma criança que vai evoluindo até aos 20, 30 anos e por aí fora. Só quero que o Zé fique bem, que ande, que viva! É isso que nós estamos cá a fazer, a viver. Estamos todos à espera dele. Toda a gente merece a sua dignidade, toda a gente merece viver, e o meu Zé não é exceção. Se ele cá está é por alguma razão! Esta história podia ter tido um desfecho dramático, mas ele está cá, portanto nunca vamos desistir, que é o principal.”


“Tivemos um dia normal”
Recentemente, José Luís teve um estímulo muito grande, uma surpresa preparada pelos amigos que organizaram uma visita a uma ganadaria. “Foi um dia maravilhoso, e ele não queria vir embora... Veio o caminho todo a dizer que queria voltar para trás, foi fantástico. Em cinco anos, foi a primeira vez que tivemos um dia normal, em que demos um passeio, com o que ele gosta de ver. E ele esteve muito bem, foi um dia perfeito, ele estava muito tranquilo, podia ver isso nos olhos dele”, recordou Isabel, não escondendo o quanto está feliz.