tvmais

em parceria com a Activa

Perfil

Televisão

"Quem Quer Namorar com o Agricultor?": Veja todas as reações de João Neves ao poema de Ângel

O agricultor admitiu que não percebeu as palavras escritas pela pretendente. Leia o poema na íntegra!

TvMais

Sâmia Pauli Fiatesdr

Ao longo da semana, nos episódios diários de "Quem Quer Namorar com o Agricultor?", o público está a ver os encontros românticos entre os agricultores e as pretendentes que escolheram, um momento para as candidatas mostrarem as suas qualidades. E foi esta a intenção de Ângel ao recitar um poema para João Neves. Porém o agricultor não pareceu muito impressionado.

Quando terminou de ler as palavras que escreveu, Ângel perguntou a João Neves se gostou do poema. O agricultor respondeu-lhe prontamente: "Podes crer, de verdade."

Porém, na entrevista ao programa, João Neves revelou que não percebeu o tema do poema. "Eu nunca tinha visto uma pessoa contar coisas daquelas. (...) Tá muito bonito, para quem entende é claro. Eu não entendi no momento."

Veja na galeria todas as reações de João Neves ao poema de Ângel!

1 / 5

DR

2 / 5

DR

3 / 5

DR

4 / 5

DR

5 / 5

DR

A escritora de Torres Vedras escreveu um poema romântico e ousado, usando o vocabulário da agricultura. Leia na íntegra:

"Agricultura é o meu corpo

Nova temporada de colheitas de amares

Tenho no peito cheiros de alfazema

Barragens de um sentir pleno, completo em valor fertilizante

Regas-me a vontade de um longo versejar

Entre lábios em estrelas cadentes

Cultivas-me o querer

Estrutura fixa

Condições climáticas no pomar das minhas emoções

Agricultura é o meu corpo

Tenho sementes que nascem em meus poros

Misturas de trigo duro em meus cabelos vermelhos

Dos cachos de cor de beterraba salarina

Armazenados de idiomas poéticos

Conservados à temperatura ambiente

Agricultura é o meu corpo

Acessas-me os poros na condução do teu tractor

Numa exploração agrícola idiomas em estufa

Ração diária de um sentimento

Agridoce de meus pecados

Associação de culturas temporárias

Agricultura é o meu corpo

Tenho na pele tatuagens de amar

Certezas de um declamar poesia em dialetos

No campo de meus escritos

Teores elevados de emoções

Terra lavrada de sedentas investidas

Segredos murmurados longe das câmaras

Apólice de seguro nos corações"

Veja o momento no vídeo!